Com o bom tempo vem também a falta dele

Com o bom tempo vem também a falta dele, dele do tempo, do tempo do pai. Os dias estão maiores e maiores são também as horas do final do dia, com o pai a chegar, por vezes, já depois da hora do jantar.

Eles são três. Mais os cães (2), mais a cabra (o Nando). E quando todos juntos, nem sempre se portam bem. Às vezes, mas assim só mesmo às vezes, apetecia-me entregar o tablet e os comandos da playstation também à cabra e aos cães, só que durasse o tempo de eu ver um episódio de uma série qualquer, ou de passar das primeiras 3 páginas da VISÃO.

Mesmo indo contra tudo o que sempre defendi, dou comigo a acenar-lhes, a todos, com a mão em movimentos na diagonal e grito-lhes num tom, que até poderia ser ameaçador, não tivesse uma voz de fina de leitãozinho que acabou de entalar a pilinha: “esperem só até eu contar isto ao vosso pai” “vou já ligar ao pai” “isto não vai ficar assim”. E logo a seguir lembro-me de como não gostava quando a minha mãe nos ameaçava com exactamente as mesmas palavras que eu debito agora contra a minha vontade.

Quando o pai abre a porta, entra e chama por nós, as queixas já passaram o prazo da acção, dando lugar a abraços e promessas de perdão. Sentados na mesa para jantar, e são quase todos os dias que jantamos juntos, mesmo que tarde e a más horas, disputamos ao segundo a atenção do pai. São várias as vezes que tenho de lhes pedir para se calarem “agora é a mãe a falar”. Dava jeito um sistema de senhas para ceder o palco às partilhas de todos. Na verdade, desde que comprámos a fiambreira que sentimos que também devíamos ter um dispensador de senhas, porque uma fiambreira, por norma, está sempre acompanhada de senhas e listas de espera.

É assim desde que me casei, já lá vão 16 anos e eu ainda não me habituei. Sempre que o calendário dita a mudança da hora para o horário de verão, o campo fica-nos com o melhor de nós, as horas que não nos permitem estarmos mais tempo juntos. Juntos os 2, os 5, os 8 (os cães e a cabra também devem sentir falta).

Chego até a ter saudades. Saudades da pessoa que vive na mesma casa que eu e se deita na mesma cama, ao meu lado, todos os dias.

Poderão ler mais reclamações aqui: Afinal, amanha devia ser sábado

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s