Vendi um SONHO

Vendi um sonho. Um sonho que não era meu. Não me pertencia. Pensei que o pudesse viver mas também não tive forças (ou vontade) para o fazer. Tive finalmente a coragem de o vender com a certeza que alguém o vai viver por mim. Por nós. E nada, mesmo nada, acontece por acaso.

Demorei 14 anos e cerca de 4 meses até ter a coragem de vender a roulotte do meu irmão. Comprou-a meses antes de morrer. Demorei também anos até conseguir falar e escrever sobre a morte do meu irmão com a clareza da verdade e a dor que as palavras só por si carregam. Usou-a cerca de um mês antes de ter o acidente. Acidente – foi com este termo que durante muito tempo me referi ao dia da morte do meu irmão.

Comprou-a usada, fez-lhe remodelações e usou-a apenas para umas férias no Algarve. É injusto dizer que a usou apenas para umas férias para o Algarve. É bem mais justo dizer que sonhou ter uma roulotte e realizou o seu sonho. Sonho agora que eu vendi por não o conseguir viver por ele. Estive 14 anos e cerca de 4 meses até conseguir abrir a porta da roulotte. Entrei apenas no dia em que a vendi. Mostrei-a apenas a uma família. Uma família cuja história se une à minha por razões que ambas preferíamos que nunca tivessem acontecido. Uma família que sonhou e realizou o sonho de ter uma roulotte e que a estacionou no Parque de Campismo de uma das praias que o meu irmão também frequentava.

Ligaram-me hoje. Encontraram lá dentro um canivete do meu irmão, gostaram dele e acharam que deveria ser eu a ficar com ele. Não consigo explicar a saudade que este telefonema me trouxe hoje e o quanto quero passar para guardar o canivete e poder dar-lhes um abraço pelo gesto que tiveram comigo. Não soubessem tão bem, também eles, as memórias que um objecto pessoal consegue carregar consigo.

Eu já tinha falado sobre isso aqui. Sobre o mexer no que não nos pertence. Sobre o que acontece às nossas coisas depois de morrermos. Coisas que na verdade já não são nossas porque se não vivemos, não existimos, não sonhamos, não somos donos de nada. Nem da morte. Porque essa então não é pertença de ninguém. Acredito antes que com a morte nos transformamos em memórias. E saudade. Ficamos vivos nas memórias dos que nos fazem viver através da sua saudade.

É isto o meu blog. É também outras coisas. Mas é muita da saudade que trago e que hoje chegou sob a forma de um canivete. Saudade que aprendi a aliviar assim, com palavras que muitas vezes só a mim fazem sentido. Porque se escrever é remexer na dor é também liberta-la da saudade dos dias.

Férias 2005

4 thoughts on “Vendi um SONHO

  1. Obrigada Patricia.
    Escrever, também é dizer o que é difícil verbalizar. As palavras escritas saem do coração.
    Que bom que as escreva, pois fá-lo tão bem e é tão bom de ler …. e reler!

    Liked by 1 person

  2. Vi a sua entrevista e como eu a compreendo,perdi o meu irmão à 10 anos. O meu irmão 16 anos mais velho do que eu, pode imaginar como eu fui criada cheia de mimos. A morte na minha vida que eu até hoje não aceito perdi peças do puzzle e o jogo nunca mais fica completo. Muita paz na sua vida gostei muito de a ter conhecido.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s