Eu acredito (e quero acreditar sempre) nos outros e, sobretudo, nos meus

Eu acredito (e quero acreditar sempre) nos outros e, sobretudo, nos meus. Não gosto de ouvir dizer que não há esperança nas pessoas, ou pior ainda, quando dizem que os animais são melhores que as pessoas. Não. Eu gosto muito de animais (fora gatos e melgas) mas gosto, sobretudo, das pessoas.

Serei eu uma sortuda por estar rodeada de pessoas boas? As minhas pessoas.

Eu conheço a Fernanda que todas as manhãs dá uma volta a mais à rotunda de São Bento para dar boleia ao Gonçalo para o trabalho, conheço uma Sandra que sobe e desce o planalto para levar o Gonçalo a casa. Conheço a Sofia que vai deixar (outra vez) a família dez dias para ir para um campo de refugiados em Dunquerque, conheço a Kika que aos domingos troca o sofá por casas que precisam de grandes limpezas e pequenas obras,  limpezas e obras essas que são feitas por ela e um grupo de amigos com idades entre 14 e os 17 anos que juntos arregaçam as mangas. Conheço o Sebastião e o Carlos, o Pedro e o Zé, o Gonçalo e a Teresa, que treinam miúdos às vezes em troca de tudo e, muitas vezes, em troca de nada. Conheço a Rita e a Susana que, às terças e às vezes também às quintas, saem de casa à hora que, habitualmente eu chego a casa e me sento no sofá, para cozinharem uma refeição quente na igreja e prepararem cabazes para famílias necessitadas. Esta semana estão a pedir cobertores, quem tiver para dar pode-me contactar por mensagem. Conheço a Madalena que diz sim a tudo e todos e anda com a mala do carro, que embora pequena, sempre a transbordar, ora de sacos de excesso, ora de sacos (os mesmos) de faltas. Conheço a Rosa que organiza festas de aniversários a quem nunca soube o que era juntar os amigos à volta de um bolo de aniversário. E ainda mexe uns cordelinhos para lhes transformar os sonhos em desejos e os desejos em presentes. Conheço a Rita que adoptou o João. Conheço a Dora que trabalha toda a imagem de um grupo de voluntárias que não têm um tostão para lhe pagar. Conheço a Joana e a Maria, a Pipa e a Teresa, que tiraram do calendário o feriado do dia 1 Novembro, encheram-se de sacas e sacos de ração para animais e foram entrega-las a terras onde o pasto ardeu por completo. Conheço a Sandra, que é advogada, e dá (do verbo dar = oferecer) apoio jurídico a mais de metade das associações e grupos de voluntariado que eu conheço e ainda arranja paciência para me ajudar, a mim, a responder a multas da PSP. Conheço a Marta que não perde uma campanha do Banco Alimentar Contra a Fome, e a Paula, que é membro da direcção de uma fundação que, todos os meses, faz o pino e a cambalhota para ver se o dinheiro ganha a ginástica necessária. Conheço a Ana que, juntamente com as colegas do departamento de psiquiatria do hospital onde trabalham, desenvolveram um projecto de inclusão de doentes mentais através das artes. Conheço uma Patrícia, que é um bocadinho mais minha que todas estas pessoas que eu já falei aqui, e muitas haveria por falar, que basta sonhar que eu estou com algum problema para, no dia a seguir, me ligar a apresentar uma solução. Conheço uma Lurdes que já me fez companhia de carro até ao Algarve só para eu não ir sozinha ao jantar de 20 anos da minha turma da universidade, uma Sara que leva o meu Kiki à catequese, uma Domingas que leva o meu João Maria ao liceu e uma Tina que lhe dá dormida quando as festas de aniversário são a seguir ao jantar.

Estas são as minhas pessoas. São a base da minha pirâmide, o meu mapa de trajecto e o meu norte seguro. São as que quero comigo e ao meu lado, as que me fazem fugir dos pensamentos infectados vindos de compassos contaminados. É por elas que eu acredito (e quero sempre acreditar) nos outros, e sobretudo, nos meus.

Foto retirada do Pinterest

Também poderá gostar de ler: Sim, eu sei, sou uma privilegiada

4 thoughts on “Eu acredito (e quero acreditar sempre) nos outros e, sobretudo, nos meus

  1. Fogo! Esta deixou-me com um nó na garganta, borboletas na barriga e aquele arrepio bom!
    Eu conheço muitas destas pessoas e conheço uma Patricia que tem muitas destas coisas e outras mais.
    Obrigada por fazeres parte da minha vida e por me deixares fazer parte da tua!
    Fazes parte das Minhas Pessoas! ❤️

    Liked by 1 person

    1. Querida Patrícia! Dar é melhor que receber. Pessoas boas, com boas energias, geram melhores energias e muito amor. Gosto de pessoas que sorriem, que acreditam, que sonham, que fazem, que ajudam, que encontram soluções onde outros vêm problemas. Gosto de pessoas que tratam os meus filhos como seus. Gosto muito de ti por tudo isto 💟 Também eu sou muito grata por ter amigos assim!

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s